sábado, 25 de abril de 2009

Poema 25 de Abril
























Tela de António Colaço

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do Tempo

Sophia de Melo B.Andresen

6 comentários:

elvira carvalho disse...

Bonita tela
Longe na altura não vivi nada da alegria de que falam, no 25 de Abril, antes outras preocupações.
Não concebo uma vida feliz sem Liberdade, e sei bem como era antes do 25 de Abril.
Mas Liberdade sem pão, também não faz ninguém feliz e vejo como vive grande parte do país.
Penso que os objectivos do 25 de Abril, e daqueles que o planearam e executaram ficaram só pela metade, e mesmo essa metade, vejo-a cada dia mais ameaçada, pelos falsos democratas que nos governam.
Um abraço e bom fim-de-semana

Andradarte disse...

Está imparàvel na pesquisa.
Gostei da tela e das palavras.
Tudo o que é 'simples', tem a sua beleza.
Beijo

Nilson Barcelli disse...

Dos melhores poemas que já li para este dia memorável.
Gostei do texto que escreveste abaixo. E do teu blogue.
Voltarei...

Baila sem peso disse...

Hoje para dizer
que depois de Liberdade nascer
outro dia Verdade cantei
e o Abril para mim foi Rei!

A esperança no Tempo
que faz todo o sentido
na Liberdade
e no Amor vivido!

(poema e pintura, que no partilhar vai sempre a ternura!!!)

Beijinho

BC disse...

Apesar do 25 de Abril já ter passado______________acho a tela muito bonita e os versos da Sophia não se comentam.
Beijinhos de CASCAIS PARA O CASAL DO ABRIGO

Estranha pessoa esta disse...

Grande Sophia :)

Um abraço grande destes lados do Oeste.
***